sexta-feira, 25 de maio de 2007

Ansiedade é querer...



Descobri que algumas coisas nunca vão mudar. Sou ansiosa mesmo! Já tentei de tudo, terapia, Reiki, Yoga...em vão! Continuo atacando o chocolate e os chicletes – Quero Trident Freshmint tamanho família! – Ultimamente tenho canalizado esta ansiedade para a prática, sempre saudável, de escrever. Já comentei sobre isso, portanto, não irei me estender.

Descobri também que toda essa ansiedade é inerente a mim, ela existe num mundo paralelo, sofro na verdade, de uma ansiedade momentânea. E ela se define pela, como já dizia minha mãe, filosofia do peru de natal: “Morre de Véspera!”. Pode rir, mas é verdade, morro de véspera, fico em cólicas aguardando alguma coisa acontecer, levanto as mais inúmeras e improváveis hipóteses, questiono as mais loucas possibilidades e, entre um chocolate, um café e um Trident Freshmint, tento me controlar para focar meu pensamento no que é importante naquele momento. E isso inclui todas as coisas da minha rotina diária, para as quais eu tenho que focar a minha atenção afinal, são elas que pagam as minhas contas, cuidam de mim, dependem de mim...

Tive o desprazer de descobri por tabela que ser uma pessoa ansiosa me faz, algumas vezes (ou seria quase sempre?), uma pessoa mal humorada, fico realmente insuportável quando estou aguardando alguma coisa, seja a pizza chegar, ou aquele e-mail fechando uma grande venda. Tudo tem o mesmo peso para mim: o peso da espera.

E como se já não fosse o bastante, descobri que eu sempre quero tudo para o mesmo tempo e, se possível, para agora! Que as coisas que eram pra hoje deveriam, na verdade, ser para ontem.

Por isso eu quero! Quero um namorado, quero outra habilitação da faculdade, quero fazer pós, quero ir para Salamanca, quero ficar solteira, quero um namorado (de novo?!), quero começar a academia, quero ir ver o Phill em Paris, quero ler outros livros de Adélia, quero dormir pelo menos 12 horas a fio, mas quero também uma noite “mal dormida” em boa companhia, quero ir na reunião do centro, quero tirar férias (urgentemente!), quero comer comida japonesa e tomar um refrescante copo de suco de melancia, quero comprar novos óculos de sol, quero dançar, quero ir ao cinema e comer pipoca doce, quero passar mais tempo com a Tatá e vê-la cantar João e Maria do Chico, quero passar mais tempo com a minha mãe e rir de todas as “palas” que ela dá, quero me acabar na balada com a Déia, a Cinthia e a Dinha, quero ficar de bobeira na Praça da Liberdade, quero conversar com meu pai sobre carros e Formula 1, quero rir com o Wallace do quanto brigávamos quando éramos crianças, quero passear com os meus cachorros correndo e vendo sorrisos em suas carinhas cansadas, quero pintar minhas unhas de vermelho carmim, quero fazer um coque desleixado no meu cabelo, quero tomar um copo de água bem gelada, quero tomar um banho demorado, quero conhecer gente nova, quero ver os meus velhos amigos, quero comer brigadeiro de colher, quero ler mais sobre o Egito, quero comprar um par de tênis novo, quero ouvir “Eu e a Felicidade” do Skank, quero encontrar com o “Xuxu” e a “Pimenta” e dizer que eles são os corações da minha vida, quero uma tarde de sol só pra mim, quero trabalhar depois do horário com o Lú e a Déia tagarelando no meu ouvido, quero ver a Lica chamando a Tatá assim como eu chamava a Mary, quero sentar na calçada lá de casa e ver o movimento da rua, quero tomar café vienense no kahlua, quero ver o Torres e o sucesso da agencia dele, quero ler mais Neruda, Márquez, Pessoa, Lispector, e quero também outros autores, quero atualizar o meu orkut, quero postar todos os meus poemas no blog, quero ir pro Cartola todo final de semana e não me cansar, quero aprender a tocar algum instrumento de percussão, quero fazer um curso sobre história da arte, quero um quadro de Degas, quero uma Trufa Mesclada da Rosélia, quero fazer fotos de algo inusitado, quero ver reprises de filmes românticos, quero poder chorar sem motivo aparente, quero dizer as pessoas que eu amo, que as amo de tal maneira, que já não saberia viver sem elas, quero um grande amor, quero representar Shakespeare, quero andar descalça, quero todas as pessoas que gosto e admiro ao meu lado, quero viver intensamente, quero ser feliz por querer todas essas coisas e quero o mundo numa caixa marchetada.

E no fim das contas, descobri que a minha ansiedade é querer...

Nenhum comentário: