segunda-feira, 28 de maio de 2007

Família de Alcoviteiros...


Todos! Todos são alcoviteiros na minha família. É impressionante como esse pessoal gosta de tentar arranjar, a qualquer custo, um namorado, marido, amante ou afim para aqueles membros da família que estão solteiros. Cheguei ao ponto de pensar em ganhar dinheiro com eles, uma agência de matrimônios, um site de relacionamentos, sei lá!
O alvo favorito de todos neste momento é essa pessoa que aqui vos escreve. Já perdi a conta das inúmeras vezes que escutei a frase: “E o namorado? Meniiiiiinaaaa! Vou te apresentar o primo de um amigo da prima da vizinha do cunhado do irmão do meu primo terceiro por parte de pai, que é um partidão!” ou “Tá na hora de casar hein Cinara!”, e outras mais...Peloamordedeus! É fato que eu quero um namorado, mas não estou matando cachorro a grito! De tanto ouvir estas perguntas, criei aquilo que chamo de "Guia prático de respostas curtas para tias, tios, avós e afins", neste guia relacionei as respostas para as perguntas mais freqüentes feitas por estes e outros parentes desta Família maluca, de codinome Lisboa.

Na maior parte das vezes este guia me serve bem, posto que eu procuro não ficar rendendo o assunto quando este diz respeito a minha vida pessoal, afinal, é como diz a célebre frase do pára-choque de caminhão: "Deus deu a vida para cada um cuidar da sua!". Pois bem, eu cuido da minha e muito bem diga-se de passagem. No entanto é inevitável fugir a esta sabatina familiar, exemplo disso foi a comemoração do aniversário da Dinha no último sábado. A cena clássica: família reunida. Peguei o meu copo e uma dose generosa de Old Par e me preparei – quase que espiritualmente – para começar a responder todas as perguntas e questionamentos sobre a minha “solteirice”.

“Pipow” se estou solteira, primeiramente, é por que eu quero. A situação está ruim, falta homem no mercado, mas o estado ainda não é de calamidade pública. Estou solteira porque os homens não querem nada sério, eles amadurecem anos-luz depois das mulheres. Enquanto nós, sabemos exatamente o que queremos aos 24 anos, eles, aos 30, não tem nem idéia de quando começarão a saber o que querem. Estou solteira porque quero um cara que me ligue para dizer “oi” e saber como foi o meu dia. Estou solteira porque antes de tudo eu gosto de mim e sei, que se é para estar com alguém, que esse alguém seja interessante, inteligente, que goste de conversar e não só queira dar uns “amassos” por aí. Estou solteira porque, contra tudo o que já aconteceu na minha vida amorosa, continuo acreditando que ainda hei de achar aquele cara que desperte em mim as tais “borboletas no estômago”. Estou solteira porque a minha felicidade é independente do fato de ter um namorado ou não. Estou solteira porque eu consigo me divertir ficando sozinha, curtindo o prazer inigualável da minha companhia. Estou solteira porque existe muita gente interessante por aí. Estou solteira porque eu quero um namorado, mas não um namorado para falar que eu tenho um, mas para rir de coisas aparentemente bobas, para dar um abraço apertado quando estiver muito tempo sem vê-lo, para dormir abraçado e acordar sorrindo, para dizer eu te amo. Estou solteira porque quero alguém que se mostre e não tenha medo de seus sentimentos. Estou solteira porque, assim como sei que depois da chuva, por mais longa que ela seja, o sol vem para nos consolar, sei que não adianta forçar uma situação. O que tiver de ser, vai ser, e pronto! Estou solteira porque, contrariando as estatísticas familiares, eu não pretendo me casar com 27 anos. Estou solteira porque ao contrário do que diz minha mãe, que eu escolho demais e por isso ainda vou acabar escolhida, eu não escolho, eu vejo as opções e é só! Estou solteira porque, mesmo sabendo que conto de fadas não existe, acredito que ainda vou conhecer um cara legal o bastante para chamar de príncipe. Estou solteira porque ainda há quem me console nos meus momentos de solidão, aqueles com os quais eu me casaria, mas prefiro uma união estável e de cumplicidade chamada amizade. Estou solteira porque estou aprendendo a ficar descolada, seguindo a filosofia da propaganda da Coca-Light - "Palmas para aquela que liga e convida para sair"- sem medo de quebrar a cara!

Estou solteira sim e daí?! Vivo bem, espero que as pessoas possam aceitar isso! Qual é o problema em estar solteira?! Sou solteira e sou feliz, não estou “encalhada”, e mesmo que fosse infeliz esse é um problema meu e sou eu quem tem que resolve-lo. Quero casar sim, quero ter filhos sim, mas não precisa ser antes dos 30, muito menos agora, eu não estou desesperada! Não tenho medo nenhum em “ficar para titia”. Muito pelo contrário, antes esperar do que entrar num namoro inseguro, ir para um casamento “às escuras” e depois de alguns anos de convivência, culminar num litigioso, conta de advogados e muita dor de cabeça. Será que é tão difícil aceitar isso?! Será difícil aceitar o fato de que namorado, marido ou seja lá o que for, não vai mudar quem eu sou ou o que eu quero?! Agradeço a preocupação e todas as tentativas que acabaram em “água” – Estratégia de Batalha Naval – mas é como diz o ditado: “De boas intenções e alcoviteiros, o inferno tá cheio!”

Um comentário:

Marcos disse...

Ai....
Tb passo por isso direto!
O pior é que as pessoas acham que a gente é coitadinho só pq está sozinho e soltam aquelas famosas frases: "preocupa nao, logo logo vai aparecer uma pessoa ótima pra vc, fica calmo".

Porra!!!!!!!! Num tamo desesperados nao ne ci!