domingo, 11 de janeiro de 2009

Sobre as certezas e as dúvidas...




“Não sei ao certo, se sou um homem de dúvidas ou um homem de fé.

Certezas o vento leva. Só as dúvidas continuam de pé.” (Paulo Leminski)




Dúvidas. Diferentes das certezas que temos na vida são muito mais corriqueiras e nos assolam a todo tempo. Certamente todos nós, independente da idade, credo, gênero ou posição social, somos tomados pela dúvida nos mais diversos momentos da nossa sublime existência. Ter dúvida é inerente a condição humana, é inerente a nossa reles posição de viajantes neste mundo por tantas vezes insano.

Quantas vezes – e sempre serão muitas – somos acometidos pelas dúvidas cruéis, que tiram o nosso sono, perturbam o nosso sossego, abalam a nossa paz. Quantas vezes nos vemos num ‘beco-sem-saída’, com milhares de interrogações a gritar sob nossas cabeças, como se dissessem – Decifra-me ou devoro-te! – Somos, quase sempre, mais nossas dúvidas do que nossas poucas certezas. E não que isso seja de todo ruim. Se somos as nossas dúvidas, passamos a ser aquilo que nos faz questionar, que nos faz indagar, que nos faz querer ir além. Nossas dúvidas são aquilo que, simplesmente, nos mantêm vivos, interessados, atentos.


E mesmo quando tudo parece só dúvidas e incertezas, vale a pena nos questionar um pouco mais, vale à pena instigar esse nosso ‘eu-crítico’, ‘pensante’ e ‘sentinte’ (com toda a licença poética), mesmo quando a dúvida não passa de qual caminho pegar para chegar a um determinado lugar. Eu tenho dúvidas, muitas dúvidas, costumo dizer que sou composta de alguns pontos finais, de uma ou outra vírgula, de uma boa soma de exclamações e reticências e um sem-número de interrogações, que me abraçam, me envolvem e por vezes me fazem feliz. Sou uma ‘pessoa de dúvidas’, mas isso não me faz uma ‘pessoa duvidosa’, apenas uma pessoa que questiona e acha que não precisamos ter certeza de tudo para vivermos a nossa vida, acreditando, sem cessar, que é como Leminski disse, certezas o vento leva. Só as dúvidas continuam de pé.


-------------------------------------------------------------------

Postsriptum:


Hoje, apenas uma certeza me assola: eu não queria estar aqui. Minha cabeça, meu pensamento e minha alma estão há alguns muitos quilometros desse belo horizonte ensolarado, em algum lugar que combina tudo o que eu queria agora.


O samba rolava solto lá pelas tantas da manhã...


6 comentários:

Victor Hugo disse...

Minha linda, Leminski de fato estava certo, as dúvidas permanecem incansáveis qual o Carvalho sob a força do vento.

Sei das suas muitas interrogações, mas sabes...Vc é vc assim, deste jeitinho e é assim que a gente gosta de ti.

Quanto ao lugar 'a muitos quilometros deste belo horizonte'...Acho que sei qual.

Beijo e amo-te, sempre.

V.H

Silvia disse...

É prima, a vida é cheia de dúvidas mesmo...mas prefiro assim...vírgulas, reticências, exclamações, interrogações...pois quando o ponto final chegar, aí sim, nada seremos!!!!
Beijos no coração!

Mariam disse...

Olá!! Feliz 2009 pra vc! Bom, confesso tbm, que sou completamente dominada pelas dúvidas. As vezes me chateio com elas! Nosso blog está de cara nova, depois passa lá pra conferir! Beijos!

Renata Rocha disse...

so sei que nao sei de nada rs...
um beijo

Paula disse...

Ei Ci,
Vim reclamar. Reclamar do seu sumiço, pq estou sentindo a falta das suas palavras no meu cantinho.
Meu querido blog "Pensamentos Soltos Traduzidos em Palavras" esta com um probleminha no servidor (que eu espero resolver logo), entao enquanto isso qualquer contato comigo pode ser feito pelo meu novo blog (que nao foi feito para substituir o "PSTP", um nao tem nada a ver com o outro).
Um bom fim-de-semana pra vc!
Bjos,
Paulinha
http://frasesdeseriados.blogspot.com/

guilherme dias disse...

Estou em duvida se sou um homem de fé ou homem de duvidas; gosto de questionar, principalmente as minhas idéias e atitude, mas se acredito nelas então tenho fé? Minha cabeça está em um lugar bom e centrado como o meu olhar. Gostei muito CI, linda.