terça-feira, 2 de março de 2010

Frieza




"Eu não troco, não vendo, não empresto e nem dou, a paz no coração pelas juras de amor(...)" 


Ultimo evento familiar após três finais de semana seguidos de festa. Sentada com uma prima um pouco mais velha do que eu a conversa discorria sobre relacionamentos. Num determinado momento (e esse momento sempre vem) a pérola - É porque você age com frieza, Bailarina – Assim, eis aí mais um adjetivo para somar-se à minha vasta lista que inclui dentre outros tantos, coisas do tipo ‘Pouco Romântica’ (que confesso, é o que eu mais gosto!) e ‘Consciente’(só ainda não descobri de quê). ‘Fria’, não me impressionada em nada mais!

Aliás, que fique claro: não sou ‘fria’. Muito pelo contrário, sou passional demais, emocional demais, sentimentos demais e me ferro, como diria a Brena, na mesma proporção por conta disso. O que não sou é ‘burra demais’. Não deixo (ou faço um esforço quase sobre humano para não deixar) é que o coração governe a cabeça porque se assim fosse, meus amigos, esta que aqui vos escreve estaria na melhor das expressões: FERRADA. Analisem o cenário: sofro por paixão, vivo pseudo relacionamentos (se é que merecem o titulo de tal) sem perspectiva nenhuma (e nem estou falando de casamento), sofro por uma presença que é só ausência, vocês hão de convir comigo que tenho todos os pré-requisitos necessários para me candidatar à vaga de Santa Rita de Cássia. Mas a questão é que sofrer nunca foi (e espero que nunca seja) meu forte, então, taí um ótimo momento para a razão entrar em cena. Porque bem sabemos que paixão é bom, mas tem como efeito colateral a capacidade de deixar as pessoas longe de seu juízo perfeito (e particularmente burras).

Juízo vá lá é algo que as pessoas têm dificuldade em criar, mesmo porque ninguém sabe o que come essa criatura, mas, piadinhas a parte, aprendi que a melhor forma de viver uma paixão é não jogar-se de cabeça nessa piscina rasa. E aprendi também que paixão mesmo só acontece quando ela é via de mão dupla, todos os dois lados precisam ‘dar e receber’ a dita cuja, se não, tem outro nome: MASOQUISMO. E venhamos e convenhamos, nunca tive vocação pra tal. Não estou falando que sei perder com classe, mas parei de achar que sofrimento resolve alguma coisa ou, tal qual a 'Tássia da Bahia', trás o amado em três dias. As pessoas são livres para escolher quando e por quem vão se apaixonar, mesmo que paixão e amor não sejam uma ciência exata. E assim também são livres para deixar de sofrer a qualquer momento. Porque, não sei vocês, mas eu chorei, fiquei deprimida, me entupi de chocolate, assisti todas as comédias românticas possíveis e imagináveis, não podia ouvir um samba mais canção que fosse que me via às lágrimas - E, veja bem minha prima querida, não há frieza nenhuma nisso.

Mas sei a hora de parar, de pegar o meu banquinho e sair de mansinho. Recaídas?! Tenho várias. Vontade de mandar tudo às favas também! Tenho rompantes de coragem que logo em seguida se transformam em quase uma síndrome do pânico. Mas se tem uma coisa que eu tenho em excesso essa coisa se chama determinação. Talvez onde as pessoas vejam frieza, falta de romantismo ou até consciência em excesso eu veja apenas uma maneira de ser bem mais que qualquer situação que eu possa estar e consiga ver além de qualquer sentimento. Que independente dos outros, sou eu quem melhor sabe o que é melhor pra mim. E no fim das contas, o adjetivo que melhor resume como eu encaro a vida, seja não ‘frieza’, mas sim, amor próprio. E isso, todo mundo deveria ter.

----------------------------------------------------------------------------------
 
Trilha Sonora:
 
'A paz no coração' (Teresa Cristina & Grupo Semente_Candeia)

6 comentários:

muito de mim disse...

Eu simplesmente amei o texto (desabafo?!?) Todo coração é burro, mole e inconstante diante dessa tal de paixão. Mas quando aprendemos a lidar com os sentimentos, paramos de derramar lagrimas por quem não merece (ou pode ate merecer) somos sempre chamados de frios. Essa semana ouvi que eu manipulo os sentimentos,não só os meus mas como também o de todos que estão a minha volta. Quem me dera saber manipular a tal ponto. Bjus bailarina. saudade

ana disse...

Uhuuu...assinado e apoiada !!! Amor próprio vale muito mais do que qualquer outro...bj

Bonequinha de Luxo disse...

Lindo texto,flor sou nova aqui, qdo der faça uma visitinha ao meu cantinho,bjks e obrigada!!!

Bonequinha de Luxo disse...

Obrigada pela visitinha, já estou te seguindo, e eu amo dança, fiz balè 15 anos, daí o joelho não aguentou rsrsrsrs,mas continuo amando, um ensiamento para vida toda!!!Bjks!!!

Michelle disse...

Adoroo!!
E como de costume, lindo texto.
Ahh e aqui, em caso de uma recaida, me passe depois o endereço da 'Tássia da Bahia'...
Brincadeirinha!
Beijos Flor.

guilherme dias disse...

Bom texto CI, estou vendo que vc escolheu a pílula vermelha.