quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Para as ondas do mar...


Voltei da praia de energia e ânimos renovados. Certa de que não há mal que um bem não cure e nada que um bom banho de mar e o quebrar das ondas na praia não nos faça pensar melhor. Voltei a acreditar que o sol nasce para todo mundo e que somos nós que nos escondemos na sombra. Trouxe muito mais que areia acumulada no assoalho do carro e aquele cheirinho de maresia impregnado na roupa. Trouxe na minha mala de volta, num cantinho que deixei reservado, uma nova perspectiva. Descobri que não vai dar mesmo para ficar esperando as coisas acontecerem e que se um-não-quer-dois-não-brigam. Descobri que eu vou ser feliz, nem que seja de pirraça. Resolvi que eu vou olhar a parte cheia do copo. Se não está bom de um jeito, vai estar de outro. Tudo é uma simples questão de ótica, vou olhar para o que está bom, para o que está dando certo e que vá para PQP o que estiver errado, ruim, ou simplesmente, ao contrário do que planejei. Vou aproveitar a oportunidade, vou pegar aquela onda. Se ela vai me dar um caldo ou me levar até a praia, não sei, mas vou arriscar.
Vou começar fazendo uma coisa muito simples, saindo da ilusão de que a grama do vizinho é sempre a mais verde, vou tratar de regar e cuidar da minha que eu ganho mais, com certeza! Colocar na minha cabeça que não adianta querer tudo de uma vez, ao mesmo tempo e, de preferência, agora. Vou aproveitar e dizer pro meu coração que de nada adianta ter todos os predicados possíveis e imagináveis a meu ver se os interesses não baterem e se no fundo uma das partes quer é curtir. Que cada um tem o seu tempo, seu jeito e a sua vida.
Vou exibir a minha morenice por aí, resultado de um sol lindo e de um céu azul de dar inveja. Vou ser despretensiosamente eu mesma, sem me preocupar em agradar ou não. Vou continuar acreditando nas pessoas pelo simples fato de que esse é sempre o caminho mais fácil e mais correto, além de prova de fé e boa vontade para com o outro a nossa volta. Mas não quer dizer que irei aceitar calada ou engolir á seco tudo o que vier na minha direção. Não gostei, vou falar, doa a quem doer.
Deixei nas águas azuis e nas areias da enseada, todas as minhas desilusões e tudo o que eu achava ruim. Deixei também qualquer pensamento que não mereça a minha atenção e isso inclui muita coisa e muita gente - Acreditem, tirei um peso enorme das costas. Tomei um banho de mar, toda aquela água salgada lavou meu corpo, minha alma e meu espírito. Foi com a benção de Oxum e a licença da rainha do mar, minha mãe Iemanjá. Que os bons ventos soprem, enfim, em minha direção. Se não for assim, não vou me preocupar, os ventos mudam e ficam ao nosso favor, pode demorar é verdade, mas um dia mudam. E, se demorar muito, temos sempre a opção de arriscar e mudar a direção do nosso barco em busca da melhor corrente. Odoyá
------------------------------------------------------------------
Postscriptum:

- Para ouvir enquanto lê: "Vamos Fugir" (Gilberto Gil - na versão da minha banda preferida,
Skank)
- Photo by Cinara Lisboa_Praia dos Castelhanos/Out.2007_Sim! Esses aí são meus pezinhos de bailarina banhados pelo mar de Castelhanos!

2 comentários:

Booperfly disse...

Oi Cinara...to precisando muito fazer a mesma coisa, sabia?
Vc é alguma coisa da Lu Lisboa?
Tem post novo no meu blog.
Um excelente fim-de-semana pra vc!
Beijos,
Paulinha
http://www.booperfly.blogspot.com

Booperfly disse...

Oi querida...
Claro que pode me linkar...aliás, vou fazer o mesmo com vc.
Bjinhos