domingo, 26 de outubro de 2008

Do que eu acredito...




"Não se pode dar uma prova de existência do que é mais verdadeiro, o jeito é acreditar."

( A hora da estrela - Clarice Lispector)




Acredito no peso das nossas decisões, acredito que cada um é eternamente responsável por aquilo que acarreta pra si próprio. Não acredito que sejamos vítimas das circunstâncias e muito menos de um mundo cruel. Acredito que dá pra existir final feliz com cada um pro seu canto. E que sim, as Relações Públicas podem me bancar daqui pra frente. Acredito que a gente não tem resposta pra tudo, que as pessoas são melhores do que elas aparentam ser e que vinagre faz bem pro cabelo.
Acredito nos erros, acredito nos acertos. Acredito na sinceridade acima de tudo. Acredito que é possível ser solteira aos 25, que há dias em que eu quero subir pelas paredes e que posso ligar para meus amigos só pra dizer ‘Te Amo’ sem parecer excessivamente carente ou completamente piegas. Que dá pra passar nessa vida sem casar, escrever um livro (mesmo sabendo que até o final do ano eu termino o meu), plantar uma árvore ou ter um filho. Não acredito que a gente possa mudar o mundo sozinho, mas que cada um pode, e deve, fazer a sua parte acredito sem cessar.
Acredito nas pessoas, na capacidade que cada um tem de ser único, ímpar e indivisível. Acredito que ninguém completa ninguém, que todos nós nascemos completos, com nossos inúmeros defeitos, uma leva considerável de qualidades e muitas, muitas, dúvidas e interrogações. Não acredito em perfeição, mas em que dá sempre pra fazer o melhor e que ele nem sempre é o mais complicado, caro ou inatingível, mas que ele pode – e muitas vezes o é – ser a coisa mais simples bem na frente do nosso nariz.
Acredito que chocolate faz bem pro coração de uma forma não fisiológica, mas emocional. Acredito que até mesmo aquilo que a gente tem como verdade absoluta pode mudar. Acredito que o bem sempre vence, mesmo quando tudo parece perdido. Acredito em amizades recentes e em encontros imprevistos. Acredito na inocência infantil e que banho frio ajuda na circulação.
Acredito nas minhas próprias convicções, que um dia ainda vou viver de samba e que meu português seria um prato cheio pra Machado de Assis! Acredito que chá de folha de pitanga é cicatrizante, que quatro horas de sono me são suficientes e que dançar faz bem pra minha alma.
Acredito que ainda vou tropeçar várias vezes, que me iludirei outras tantas, que vou cair muito mais e que vou contar com ajuda da onde menos espero para levantar. Acredito que no fundo do poço tem uma cama elástica e que tem dias em que eu simplesmente, estou chata e irritante e que fico calada para poupar os outros e a mim. Acredito que somos a soma de tudo o que pensamos, fazemos e sentimos. Acredito que a gente pode se sentir o ser humano mais poderoso do mundo só porque cortou o cabelo de um jeito diferente.
Acredito na simplicidade muito mais que na suntuosidade (e que essa palavra renderá risadas). Acredito na oportunidade do agora e que cada um aproveita como lhe convém. Que óculos escuros, coque no cabelo e água com gás curam qualquer ressaca. Que correr é o que há quando se está stressado e que samba passa qualquer sofrer. Acredito em fidelidade, mas acredito que todo mundo tem seu momento, só não acredito que seja necessário enganar o outro e que todo mundo tem o direito de não estar afim e de se interessar por outra pessoa.
Acredito no dia após o outro. Acredito na verdade dos fatos. Acredito que a primeira impressão nem sempre é a que fica, que todo mundo tem seus altos e baixos e que o bolo de cenoura da minha mãe é o melhor do mundo. Acredito que o passado pode ficar onde ele está. Acredito em amor-próprio e na felicidade realista. Acredito no amor daqueles de histórias românticas, mas não espero príncipe encantado, castelo e cavalo branco, nem de longe. Acredito que é melhor falar das nossas crenças do que das descrenças. Acredito em mim. Acredito, e como é bom acreditar...

--------------------------------------------------------
Postscriptum:

Breve diálogo com a Tatá:

- Dinda, o quê que as cigarras comem?!
- Hum...Não sei amor!
- Ah Dinda! Olha aí no google então!

Essas crianças modernas...

--------------------------------------------------------
Trilha Sonora - A música que embalou este post:

Tamborim (Teresa Cristina e Zé Renato_Zé Renato)


Teresa Cristina - Tamborim






Especialmente para as Flores da Confraria...Lua e Girassol!

8 comentários:

Booperfly disse...

Muito bom seu post, Ci, minhas crenças são parecidas com as suas e realmente é bom ter em que acreditar.
Depois de um longo sumiço, estou de volta!
Bjos e bom resto de semana!
Paulinha
http://booperfly.fairy-tales.com.br/

Bruno disse...

CI!!
Acredito que as pessoas amadurecem ou envelhecem, e que isto é escolha de cada um. Acredito também que eu vou após a minha maturidade começar a meninar, sem nunca deixar para trás oque apreendi.

Olga disse...

Adorei esse post!
É muito bom acreditar, e são tantas crenças, tantas teorias! rs
Mas o principal é acreditar em nós mesmos, ter confiança;

E assim como você, acredito que chocolate faz um bem danado pro coração!
'Umbeijos' :)

JAZZ-MIM disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JAZZ-MIM disse...

adoro crianças modernas! a minha descobriu que o verão é algo muito feliz, devido ao horario de verão! Seja muito bem vinda a nossa confraria! Já escolheu sua flor? Nesse espaço compartilhamos alegrias e tristeza, e reconfortamos e divertimos com tudo! Mais uma vez seja muito bem vinda! Jazz-mim

Ju disse...

Eu acredito na Saudade.
Saudade enorme q irei sentir da minha consultora particular para assuntos aleatórios.
Eu acredito na Amizade.
Amizade q tem hoje só altos, já teve baixos a muitos e muitos anos atrás!!

Love u so...

Kisses

Karine disse...

Olá!
Primeira vez por aqui..
vc é bailarina?
Eu também!

Incrível como se leva a dança para as palavras e as palavras para a dança...

um abraço!

Bahasi disse...

Lindo texto, Coisa-de-Plástico-que-Dança! Lindo.