sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

I will survive

Para L.A.B.N



“Oh no, not I! I will survive! Oh, as long as I know how to love, I know I'll stay alive! I've got all my life to live. I've got all my love to give. And I'll survive! I will survive(…)”

“Se amanhã não for nada disso, caberá só a mim esquecer, e eu vou sobreviver! O que eu ganho e o que eu perco, ninguém precisa saber(...)”


Pode parecer otimista demais, e até um tanto quanto dramático, mas eu vou sobreviver. Vou sobreviver porque todo mundo já esteve na 'fossa' alguma vez. Vou sobreviver porque eu sei que no fim, o tempo tira o incurável do centro das atenções. E olha, pode demorar, mas essa hora chega porque ela é inevitável. Foi assim com você. Quando ‘voltou’ pra minha vida me encontrou refeita (e aí qualquer alusão a ‘Olhos nos olhos’ do Chico não é mera coincidência) e disposta pós um mês e meio morando em outro estado. Encontrou meu coração restaurado, de pintura nova, com flores no jardim, janelas pintadas de azul e um tapete de bem-vindo na soleira da porta. 

Não sei até hoje qual motivo te fez pensar que eu não me apaixonaria por você, mas seja lá qual for, sinto muito, de verdade, talvez toda essa coisa de ter ficado em ‘reforma’ por muito tempo tenha me feito perder o jeito, o feeling, o time.  Mas de coração agradeço por ter me feito ver que: sim, existe paixão depois de uma decepção, embora você tenha sido mais uma. Mas sem problemas, uma a mais na vida de quem já teve tantas é como eu te disse, eu sobrevivo.

Por algum tempo, é claro, eu ainda vou achar absurdo tudo o que você me disse quando conversamos, vou colocar a culpa em você por não ter sido claro, por julgar que eu te leria nas entrelinhas, por ter desistido na primeira oportunidade. Vou me auto-torturar por ter quebrado a minha regra de não me envolver com amigos. Vou praguejar contra você por ter me dito que eu arrasava seu projeto de vida (e aí, novamente, qualquer alusão a ‘A Rosa’, também do Chico, não é mera coincidência.) e achar ridículo quando você escreveu que agora estava concentrado em resolver seus problemas. Vou desejar meias dúzia de coisas ruins por ter que engolir a seco o fato de que você já está com outra pessoa. Vou sentir o gosto do ciúme coisa que até bem pouco tempo atrás eu me achava imune. Vou achar que você tem um ‘quê’ de Mãe Dinah quando previu naquele restaurante em BsAs que quando chegássemos em BH tudo acabaria. Vou amargar as lembranças, não vou querer ver fotos em que estamos juntos, não vou mais escutar Mayra Andrade, vou guardar os CDs do Piazzolla, vou querer te trancar no limbo da minha memória porque eu sei que como diria os Los Hermanos, o esforço pra lembrar é a vontade de esquecer. Mas eu repito: eu vou sobreviver.

Não sei se isso te interessa, não sei nem se você vai chegar a ler o que escrevi aqui. Mas eu precisava dizer que eu vou sobreviver, mesmo que não sejamos amigos mais. Esqueça a diplomacia que lhe propus em alguma mensagem, é conversa pra boi dormir, não sei perder com classe.  Vou sobreviver porque não tem jeito, não posso mudar o que aconteceu ou passou. Vou sobreviver porque eu tenho aprendido que talvez eu precise me doar mais pra alguém, que meu medo enorme e paralisante de quebrar a cara faz com que eu simplesmente esqueça que as coisas podem ser diferentes. Vou sobreviver porque eu sou ariana, sou dura na queda e por mais despedaçada que esteja sei juntar meus cacos e me refazer brilhantemente, mesmo que isso custe R$ 150 a hora, quatro vezes por mês no analista e uma conta exorbitante de Heinekens e tequilas uma vez por semana no Arcângelo (E aviso: vou lá todas as terças, se você pudesse não aparecer nesse dia seria jóia). E se no fim das contas, como disse Adélia Prado, ‘deus me tirar a poesia’, ele me cerca dos melhores amigos do mundo duma lista pequena na qual você até bem pouco tempo atrás fazia parte. 

Mas, é isso. Eu vou sobreviver, acredite em mim. Vou sobreviver e, quem sabe, daqui um tempo a gente não se esbarre por aí e ache graça disso tudo. Eu vou sobreviver, afinal, um dia vou cansar de pensar no que poderia ter sido, e aceitar resignada a incerteza do que ainda será. 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 Postscriptum:

Caros amigos, é um desabafo de quem quer seguir em frente, já que 'pra trás não dá mais'. Obrigada a todos pela compreensão. Um natal lindo e um 2012 esplêndido para todos!

Um doce e carinhoso abraço,

Bailarina
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Trilha Sonora:

Someone like you (Adele)

“Never mind, I'll find someone like you, I wish nothing but the best for you, too...Don't forget me, I beg, I remember you said: sometimes it lasts in love, but sometimes it hurts instead(...)”









  

Apenas mais uma de amor (Lulu Santos)

3 comentários:

C:// disse...

"Não preciso de modelos, não preciso de heróis. Eu tenho meus amigos e quando a vida dói, eu tento me concentrar, no caminho fácil."

O Cercadinho disse...

Seguido leio o teu blog, interessantes teus posts.
Te escrevo para divulgarmos nosso blog, ainda está em processo de expansão. Se quiser nos acompanhar e dar umas risadas: www.o-cercadinho.blogspot.com
Será um prazer te ter nos visitando lá.
O que é O Cercadinho? Segue uma apresentação para te situares.
Em cada relacionamento afetivo, os envolvidos ficam restritos a um espaço, O Cercadinho, onde acontecem as interações. Em algumas fases, está cheio de "queridas", mas em outros, quase vazio. O Cercadinho é o resultado das conquistas amorosas, onde cada um preenche à sua maneira e gosto. Pode ter o critério de cotas e uma de cada: loira, morena, mulata, ruiva e/ou japa. Com faixas etárias e tipos variados. Até monogâmico com apenas uma mulher selecionada.
Neste blog, somos cinco homens escrevendo relatos e histórias, sem pretensão literária sobre O Cercadinho. Heitor faz o estilo confuso e rebuscado. Apaixonante e cafajeste, este é Wanderlei. Já Cebola faz o estilo 100% sincero e sem rodeios. Seco, objetivo e um pouco bagual com sentimentos, assim é Iberê. E Marcão, bom, esse é trash total.
Entre no nosso Cercadinho e boa leitura.
Iberê

Anônimo disse...

Me identifiquei com cada palavara, exceto os lugares que são bem particulares!rs
Siga em frente, moça! Quando perceber, você estará fascinada por outra pessoa... gostando mais uma vez, talvez mais que deveria.